Foi, recentemente, lançado em Portugal o “Wine Album”, o primeiro disco da tertúlia musical RUA DAS PRETAS. Esta colecção de “wine and love songs” prosseguiu a sua digressão europeia até Berlim (16 e 17 de novembro), e continua agora o seu caminho até Paris, a 20 e 21 de Novembro.

Para fugir ao circuito mais comercial em que a indústria da música se tornou, o Wine Album, produzido pelo multipremiado Hector Castillo, não se encontrará à venda em nenhuma discoteca, estando apenas disponível nas plataformas digitais Spotify, Apple Music, Amazon, Deezer e nas melhores garrafeiras de Portugal e de 40 países.

Há pouco mais de um ano, a RUA DAS PRETAS mudou-se da sala da casa de Pierre Aderne, onde começou, para abrir as portas ao público num palacete no Príncipe Real.

Durante esse tempo, as imprevisíveis, surpreendentes e quase secretas reuniões semanais receberam mais de 140 músicos lusófonos e do mundo, e mais de 4.000 pessoas de vários países participaram na celebração da música cantada em língua portuguesa.

O fio condutor dessas noites é o vinho. Num ano, abriram-se mais de 1.700 garrafas de alguns amigos winemakers” que começaram a participar desses saraus, a levar os seus vinhos para ajudar a contar estórias e a desfilar canções: Luis Cerdeira (Soalheiro), Tiago Dias Da Silva (Quinta Maria Izabel) , Miguel Louro Filho (Apelido), Francisco Bento dos Santos (Monte Doiro), Julia Kemper, Rita Nabeiro (Adega Mayor), Fernando Coelho (Quinta Dos Tourais), Antonio Maçanita e o sui generis Dirk Niepoort .

Foi justamente na companhia de Dirk, quando juntos bebiam um Porto de meia idade, a contemplar os socalcos do Douro na Quinta de Nápoles, que Pierre teve a ideia de gravar um disco de canções de amor e de vinho.

Alguns dias depois, partiram para Nova Iorque, na companhia de 12 músicos. Ali ficaram duas semanas, vivendo em comunidade numa casa no Greenwich Village. Compor, cozinhar, cantar, abrir garrafas e gravar com Hector Castillo (vencedor de 8 GRAMMYS na produção/gravação de nomes como Beck, Bjork, Lou Reed, David Bowie, Bebel Gilberto) foi o seu dia-a-dia. Dois meses depois, todos rumaram a Lisboa e durante a sua estadia numa casa na Rua Da Bica, finalizaram o álbum no mítico estúdio lisboeta Namouche.

O cantor nova-iorquino, compositor e jornalista musical Brian Cullman e o músico do Kansas Tanner Walle, formam, juntamente com Pierre Aderne, o triângulo que dá alicerce ao álbum. E que conta ainda com a colaboração do acordeonista português João Barradas, do compositor norte-americano Jesse Harris, da cantora brasileira residente em Nova Iorque Liz Rosa, a fadista do norte Liliana Macedo, a cantora cabo-verdiana Maria Inês Paris, a parisiense Gabrielle Hartmann, o cantautor brasileiro Fred Martins - radicado em Lisboa - e os músicos Diogo Duque, Walter Areia, Augusto Baschera, Nilson Dourado, Sérgio Costa, Henrique Leitão, Jeremy Gustin, Glenn Patcha, Michael Chiaer e o maestro do samba carioca Luís Filipe de Lima.

Do Wine Album fazem parte dez músicas inéditas que passeiam por Bossas, Fadinhos, Folk e Jazz, para além do tema “Vinho Do Porto“ de Carlos Paião, revisitado - disponível apenas como bónus track digital.

O CD acompanha um dos quatro vinhos exclusivos idealizados por Dirk Niepoort para a RUA DAS PRETAS e produzidos pela Niepoort Wines, ou poderá ser descarregado através do código de ‘download’ impresso nas rolhas. Os rótulos, obras originais, foram criados pelos artistas plásticos brasileiros de renome Gonçalo Ivo e Rubem Grilo.

Um pack CD + 1 garrafa tem um PVP de 18€, e estará à venda, entre outros locais de Portugal, nas garrafeiras do Corte inglês - Gourmet , na Garrafeira Nacional, Garrafeira de Campo de Ourique, na Garrafeira Imperial, no Tapas 52 e no Solar dos Presuntos.